Terapia baseada na Internet versus terapia face‐to‐face para transtorno do uso de álcool: um ensaio randomizado controlado não-inferioridade

abstrair

Antecedentes e objetivos

A maioria das pessoas com transtorno do uso de álcool (AUD) nunca são tratadas. As intervenções baseadas na internet são eficazes na redução do consumo de álcool e podem ajudar a superar algumas das barreiras para as pessoas que não procuram ou recebem tratamento. O objetivo do presente estudo foi comparar o tratamento presencial fornecido pela internet e presencialmente entre usuários adultos com AUD.

projetar

Ensaio randomizado de não-inferioridade controlado com um desenho paralelo, comparando a terapia cognitivo-comportamental fornecida pela internet (ICBT) (n = 150) com TCC face‐to‐face(n = 151), em seguimentos de 3 e 6 meses.

ambiente

Uma clínica especializada para pessoas com AUD em Estocolmo, Suécia. Os participantes foram recrutados entre 8 de dezembro de 2015 e 5 de janeiro de 2018.

Participantes

Um total de 301 pacientes [idade média de 50 anos, desvio padrão (SD) = 12,3] com AUD, dos quais 115 (38%) eram do sexo feminino e 186 (62%) eram homens.

Intervenção e comparador

Os participantes foram randomizados em blocos de 20 a uma proporção de 1 : 1 a 5 módulos de ICBT orientados por terapeuta ou a cinco módulos de TCC face‐to-face, entregues durante um período de 3 meses. O mesmo material de tratamento e os mesmos terapeutas foram utilizados em ambos os grupos.

Medidas

O resultado primário foram as bebidas padrão de álcool consumidas durante a semana anterior no seguimento de 6 meses, analisadas de acordo com a intenção de tratar. O limite de não-inferioridade pré-especificado foi de cinco bebidas padrão de álcool e d = 0,32 para desfechos secundários.

Resultados

A diferença no consumo de álcool entre a internet e o grupo face‐to‐face não foi muito inferior na intenção‐tratar a análise dos dados do seguimento de 6 meses [internet = 12,33 e face‐to‐face = 11,43, diferença = 0,89, intervalo de confiança de 95% (IC) = −1,10 a 2,88]. O desfecho secundário, escore de Teste de Identificação do Transtorno do Uso de Álcool, não mostrou não-inferioridade da internet em comparação com a análise de intenção‐para-tratar no seguimento de 6‐meses (internet = 12,26 e face‐to‐face = 11,57, d = 0,11, 95% CI = –0,11 a 0,34).

Conclusões

O tratamento realizado pela internet não foi muito inferior ao tratamento presencial na redução do consumo de álcool entre pacientes que procuram ajuda com transtorno do uso de álcool, mas não mostrou inferioridade em alguns desfechos secundários.

Citation
Johansson, M., Sinadinovic, K., Gajecki, M., Lindner, P., Berman, A. H., Hermansson, U., & Andréasson, S. (2020). Internet‐based therapy versus face‐to‐face therapy for alcohol use disorder, a randomized controlled non‐inferiority trial. Addiction.
Publication Date
Research Language

English

Country
Suécia