Fumar aumenta muito o risco de complicações após a cirurgia

Um estudo conjunto realizado pela Organização Mundial da Saúde e pela Universidade de Newcastle, na Austrália, descobriu que as pessoas que deixam de fumar tabaco pelo menos quatro semanas antes de serem submetidas à cirurgia têm um menor risco de complicação e apresentam melhores resultados seis meses depois.

Os pesquisadores descobriram que os pacientes eram menos propensos a sofrer de infecções pós-cirúrgicas e eram menos propensos a serem readmitidos no hospital para cuidados adicionais.

Nicotina e monóxido de carbono reduz os níveis de oxigênio, o que pode levar a complicações cardíacas pós-cirúrgicas. O tabagismo também reduz a eficácia de nossos sistemas imunológicos, aumentando o risco de infecção e a recuperação mais lenta.

É vital que os profissionais sensiem os pacientes sobre o impacto do tabagismo na recuperação. A perspectiva de cirurgia pode causar ansiedade e as pessoas podem aumentar a ingestão de tabaco no período que antecede sua operação. Por isso, apoio, orientação e incentivo para ajudar as pessoas a reduzir ou parar de fumar antes de se submeter à cirurgia são vitais.