A Etimologia e a História Primitiva de 'Vício'

Abstrata

O uso contemporâneo do vício é contraditório e confuso; o termo é altamente estigmatizante, mas popularmente usado para descrever quase qualquer desejo forte, paixão ou perseguição. O uso atual envolve uma corrupção recente do termo ou existe um histórico de significados conflitantes?

Método: Um estudo etimológico diacrônico dos termos "viciado", "viciado" e "vício", informado pela teoria linguística contemporânea e utilizando fontes primárias e secundárias em latim arcaico e clássico e em inglês. Examinamos três períodos: República Romana Primitiva, República Romana Média e Tardia, e Inglaterra Moderna primitiva.

Descobertas: "Falar com isso", seu primeiro significado, é explicado pelo uso técnico legal e augural (5º centavo). BCE). À medida que addicere e viciado saqueavam na República Média e Tardia Romana, a noção de escravidão, uma derivação secundária de seu uso legal, persistiu como descritiva e não mais literal. No período Moderno, o viciado em verbos significava simplesmente "anexar". O objeto desse anexo pode ser bom ou ruim, imposto ou livremente escolhido. No século XVII, o vício era principalmente positivo no sentido de dedicar-se a outra pessoa, causa ou perseguição. Não encontramos nenhuma evidência para um modelo médico antigo.

Conclusão: O jogo parece ser o único comportamento que poderia satisfazer ambos os usos originais; tinha um significado fortemente positivo (sua associação com a adivinhação), e igualmente negativo, estigmatizante. Historicamente, o vício é um auto-antônimo, uma palavra com significados opostos e conflitantes. Aplicações recentes não são uma corrupção da palavra, mas estão enraizadas no uso mais antigo.

Citation
Richard J. Rosenthal & Suzanne Faris (2019): The etymology and early history of ‘addiction’, Addiction Research & Theory, DOI: 10.1080/16066359.2018.1543412
Publication Date
Research Language

inglês

Country
Estados Unidos
Themes