Livia

Live – Estágios do Impacto da DQ na família e a importância dos Grupos de Apoio

Livia

Live – Estágios do Impacto da DQ na família e a importância dos Grupos de Apoio

A dependência química vem mobilizando o sistema de saúde e ganhando visibilidade devido à complexidade na solução desse problema. Um número considerável de pessoas residentes em centros urbanos, tanto no Brasil, como no mundo, consome de forma abusiva substâncias psicoativas.

Constata-se que, além de uma doença, a dependência química é um grave problema de saúde pública necessitando da atuação em busca de estratégias para a prevenção, o acompanhamento e o tratamento dos usuários e familiares.

Frente à percepção do uso de drogas por seu familiar, a família passa a conviver com esta realidade e sofre por não saber lidar com os problemas ocasionados pela drogadição, passando por quatro estágios sob a influência das drogas que, devido à singularidade e subjetividade de cada uma, podem não se apresentar no mesmo processo em todas elas.

No 1º estágio, há predomínio do mecanismo de defesa da negação. A família e o usuário vivenciam situações de tensão e conflitos, porém não verbalizam os seus sentimentos e pensamentos em relação a tal problemática.

Durante o 2º estágio, a família desperta para o problema, preocupa-se com tal questão, tenta controlar o uso da droga. Neste momento, evita abordar o assunto e mantém a ilusão de que as drogas não são as causadoras dos problemas familiares.

No 3º estágio, os membros familiares assumem papéis rígidos, previsíveis e realizam uma inversão de papéis. As famílias assumem responsabilidades de atos que não são seus, impedindo que o dependente químico perceba os problemas advindos do consumo de substâncias psicoativas (SPA).

Finalmente, o 4º estágio é caracterizado pelo desgaste emocional dos familiares e podem surgir alterações comportamentais entre os seus integrantes. A situação fica insustentável, ocorre um distanciamento entre os membros, o que gera uma desestruturação familiar.

A inserção familiar no processo terapêutico a corresponsabiliza, pois o dependente químico necessita de ser assessorado, considerando-se as suas dificuldades de relacionamento com os membros familiares e pessoas do ambiente externo. Além disso, o apoio familiar favorece a adesão do usuário ao tratamento e ao serviço de saúde.

Ao oferecer apoio emocional e informações/orientações, grupos de apoio possibilitam a percepção da situação real que estão vivendo, por meio do conhecimento de dados mais concretos sobre o problema e diminuição das fantasias a ele relacionadas, ajudando-os no enfrentamento da crise vivenciada.

O grupo de apoio/ suporte oportuniza aprender novos comportamentos em clima de compartilhamento e aceitação. Por isso, apresenta-se como um excelente recurso terapêutico para lidar com pessoas que vivem situações de crise, tendo como objetivos promover coesão e apoio, elevando a autoestima e a autoconfiança de seus participantes.

A atividade grupal é importante para o usuário de drogas em tratamento e para seu familiar auxiliando-os a conviverem com os problemas, aprendendo a manejá-los de modo mais saudável.

Através desta ferramenta de cuidado pode-se humanizar a assistência, estimulando o dependente químico e seu familiar a realizarem o enfrentamento das dificuldades e a manutenção do funcionamento psicossocial, de acordo com as necessidades de cada pessoa, a fim de fazê-la construir um novo projeto de vida e manter-se saudável.

O envolvimento de famílias que compartilham do mesmo problema torna-se de grande relevância para a terapêutica, por criar um espaço de trocas de vivências, angústias e informações para a compreensão da dependência química.

Estudos demonstraram a relação entre tempo de permanência de um paciente em tratamento com maior número de sessões frequentadas pelo familiar.

Num grupo de apoio é possível unir forças para vencer dificuldades que pareciam impossíveis! Nada mais encorajador que ouvir experiências semelhantes às nossas e aprender lições já alcançadas. Nesses grupos, podemos identificarmo-nos melhor e termos mais apoio para reagir aos desafios da vida.

Num grupo de apoio, à medida que nos engajamos, percebemos que esses vínculos criados ultrapassam tempo e lugar e nos tornamos uma família na qual podemos contar uns com os outros na hora de grandes aflições.

No Brasil, são muitos os grupos de apoio e mútua ajuda: Amor-Exigente, Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos, Pastoral da Sobriedade, Nar-Anon, Al-Anon, entre outros.

Para falar mais sobre os Estágios do Impacto da Dependência Química na família e a importância fundamental dos grupos de apoio, o Freemind e a ISSUP Brasil reúnem na sua Live com Especialistas do dia 14 de julho Luiz Fernando Cauduro – Voluntário da Federação de Amor-Exigente – e Ronaldo Luiz Risseto* – CEO – MADD (Mothers Against Drunk Driving) Brasil.

Você não pode perder: no canal do YouTube do Freemind, dia 14 de julho, a partir das 20h00. Acesse o link abaixo, ative as notificações para ser avisado quando a transmissão for iniciar e aproveite para deixar seu like e curtir o nosso canal:

https://www.youtube.com/watch?v=CPV5mhUdGQo

* Ronaldo Luiz Risseto é CEO – MADD (Mothers Against Drunk Driving) Brasil, Conselheiro no Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas e Coordenador do Grupo Cidade Ademar da Federação de Amor-Exigente.

Live Estágios do Impacto da DQ na família e a importância dos Grupos de Apoio - 14/07